Ricardo Araújo Pereira

 

Ricardo Araújo Pereira licenciou-se em Comunicação Social e Cultural, na Universidade Católica Portuguesa, e iniciou-se como jornalista, primeiro como estagiário na redação do Jornal de Letras, Artes e Ideias; depois como repórter de informação da TVI. No final dos anos 1990, começou a colaborar nas Produções Fictícias. A partir de 2003, forma, com José Diogo Quintela, Tiago Dores e Miguel Góis, o projeto Gato Fedorento, que se tornou uma referência do humor português contemporâneo. É cronista do jornal A Bola e da revista Visão, mantém uma rubrica de humor na Rádio Comercial e integra o painel de debate do programa Governo Sombra, na TSF e na TVI24. É editor de uma coleção de literatura de humor em colaboração com a Tinta da China e, para além das compilações das suas crónicas, é autor de best-sellers como Se não entenderes, eu conto de novo, Pá (2013), A doença, o sofrimento e a morte entram num bar: uma espécie de Manual de Escrita Humorística (2016), Reaccionário com dois cês: rabugices sobre os novos puritanos e outros agelastas (2017) ou Estar vivo aleija (2018).